banner_aafc_recadastramento.gif

Login do usuário

Esqueceu sua senha?
Recuperar senha
Não se cadastrou?
Cadastre-se já!

Quem está online

No momento há 0 usuários e 5 visitantes online.

Buscar

Reunião mensal de outubro, em Campinas

A abertura da reunião foi feita pela colega Elisabeth que agradeceu a presença de todos e apresentou Anderson Gonçalves, do CMDI de Campinas, com a palestra Política Pública para o Idoso.  Esclareceu que o perfil etário da população brasileira tem mudado aceleradamente, isto é, a participação relativa dos idosos é cada vez maior em relação aos demais grupos populacionais. No Município de Campinas (SP), esse fenômeno está em ritmo mais avançado do que nacionalmente, pois as taxas de fecundidade são relativamente mais baixas.
Segundo dados da fundação SEADE, em 2016, Campinas tinha aproximadamente 166 mil pessoas com 60 anos ou mais, isto significa que 15% da população campineira é idosa.
Esses dados têm influenciado na organização social, nos arranjos familiares e nas políticas públicas voltadas à população idosa. O aumento do número de famílias sem crianças sinaliza para a necessidade de novos serviços públicos de atenção aos idosos. Isso porque muitos idosos que perderão suas capacidades funcionais não terão apoio infrafamiliar.
Além dessa perspectiva dinâmica sobre a população e a demanda por novos serviços de cuidados, a realidade atual dos idosos nos faz refletir sobre as seguintes questões: vivemos em uma sociedade que respeita os direitos e a dignidade da pessoa idosa? Quais são as transformações necessárias para uma oferta qualificada de garantias de direitos aos idosos?
Essas questões sugerem novos desafios políticos, a questão do sistema de garantia de direito dos idosos deve influenciar as decisões acerca de novos investimentos públicos. Para isso, a mobilização, organização e participação política da população idosa se faz cada vez mais necessária, posto que a reserva de recursos para financiamento de políticas públicas voltadas aos idosos depende do resultado de uma disputa intergeracional.
O Estatuto do Idoso foi um importante marco legal para garantia de direitos fundamentais ao cidadão com 60 anos ou mais. Contudo, a efetivação dos direitos fundamentais deve ser perseguida por todos, em especial, pelas ações do Estado. O envelhecimento populacional requer uma cidade mais cooperativa, com ações voltadas ao cuidado ao próximo.
Na sequência José Luis, Superintendente Regional, tratou de vários assuntos de interesse dos associados. Em homenagem ao dia do idoso foi servido um bolo com salgadinhos seguido pelo bingo.
Regional: 
Campinas